domingo, 23 de novembro de 2014

O Amor


Eu preciso de trabalhar minha pá,
Mas sozinho não posso, sou um pato,
Nado, nado e me sinto um tolo,
Quem se debruçará sobre minha logia?
E a patologia se espraia...

Busco um caminho, mas nele me vejo só,
Parece que nem mais vejo a luz do sol,
Que é clara, tão perto, tão sólida,
A solidão a fez anuviar...

Buscava respostas noutros lugares que não in,
Mas não as encontrava, senão inter,
Entre relações fluídas como um rio,
Que desaguavam num interior vazio.

Para curar essa patologia
Que lateja em estrutura de solidão,
É preciso lavar bem o interior
Com o melhor conteúdo da vida, o amor.


quinta-feira, 18 de setembro de 2014

TEXTOS PARA A PROVA ESPECÍFICA DE FILOSOFIA UFPR 2015

  1. ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco – Livros I e II. Gama Kury, M (trad.). Nova Cultural, São Paulo, 1996. (Coleção Os Pensadores).
  2. KUHN, T. "A função do dogma na investigação científica". In: DEUS, Jorge Dias (org). A crítica da ciência: sociologia e ideologia da ciência. Zahar, Rio de Janeiro, 1979. [Uma versão eletrônica (e modificada para fins didáticos) desse artigo está disponível na Biblioteca Digital da UFPR, com acesso em http://hdl.handle.net/1884/29751]. 
  3. HABERMAS, J. Fé e saber. Editora São Paulo: Unesp, 2013, pp. 1-26.

domingo, 31 de agosto de 2014

Edifício do professor


Edifício do professor

Ser professor é uma arte muito difícil.
É difícil a arte, edifício é arte,
É difícil. É arte. É ensinar.

Há dias que me sinto edifício,
Há dias que me sinto arte,
Há dias que nem me sinto.

Em Minas sou fessor
Na Bahia dizem pró
E eu? Eu me sinto arte!

Arte que constrói seu edifício,
Que se destrói, mas é difícil,
Mas assim são os meus dias.

Em alguns planto palavras,
Noutros colho sonhos.
E há os que não colho nada.

Mas como eu disse antes,
Ensinar é uma arte, é difícil,
É também amor!

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Nietzscheano ou Nietzschiano


É comum visualizarmos o uso desses dois adjetivos quando nos recorremos aos textos de comentadores especialistas em Nietzsche. Mas há uma regra a partir da Nova Ortografia da Língua Portuguesa na formação do adjetivo correspondente ao substantivo de palavras com sufixos -ano e -ense que se combinam com um i que pertence ao tema (havaiano [de Havaí], italiano [de itália], atibaiense [de atibaia] e etc.) ou derivadas de palavras que têm na última sílaba um e átono (Acriano [de Acre], Açoriano [de Açores] e etc.).  Mas escreve-se -eano se a última sílaba da palavra de origem tiver e tônico: daomeano [de Daomé], guineano ou guineense [de Guiné], ou a penúltima tiver ei tônico: coreano [de Coreia] e etc. Há também outras palavras em que se suprime a vogal final, como por exemplo em goethiano [de Goethe], voltairiano [de Voltaire] dentre outras. Dessa forma a partir da nova ortografia fica correta a palavra: nietzschiano.


REFERÊNCIA:

GEIGER, Paulo; SILVA, Renata de Cássia Menezes da. A nova ortografia sem mistério: do ensino fundamental ao uso profissional. Rio de Janeiro: Lexikon, 2009.

domingo, 10 de agosto de 2014

História da Filosofia - 7 Volumes (Giovanni Reale)


História da Filosofia - Volume 7 - De Freud à atualidade

Do Mito à Filosofia (Prova com Gabarito)


01) Ao estudarmos sobre os VALORES vimos que diante de pessoas, coisas e situações, estamos constantemente fazendo avaliações. Relacione as colunas abaixo colocando a letra correspondente dentro de cada parênteses. (0,5)

a) Juízo de Fato
b) Juízo de valor

(_b_) Aquilo que se pensa. Esta caneta é bonita.
(_a_) Algo determinado pela interação entre o sujeito e o objeto.
(_a_) É aquilo que é o concreto. Ex.: esta caneta é preta.
(_a_) É aquilo que diz o que as coisas são e por que são.
(_b_) É aquilo que avaliam as coisas, pessoas, situações como bons ou maus.

02) De acordo com Marilena Chauí, qual a alternativa expressa a diferença entre Ética e moral: (0,5)

a) A Ética é o conjunto de princípios e valores sociais para a conduta correta enquanto que a moral é subjetiva e, portanto, individual e relativa.
b) A moral é o conjunto de valores concernentes ao bem e ao mal, e a conduta correta, válidos para todos os membros de uma determinada sociedade e Ética é uma reflexão que discute, problematiza e interpreta o significado dos valores morais.
c) Nem toda sociedade institui uma moral, à exemplo de sociedade primitivas. A Ética se constitui como uma evolução da vivência moral, um estágio avançado onde os valores se solidificam e a população alcança a harmonia.
d) A diferença entre os conceitos é meramente cultural já que ambos coexistem no processo social e estão profundamente interligados, compartilhando significados.

03) Podemos afirmar que a moral distingue-se da ética pelas seguintes características: (0,5)

a) Situa-se no plano teórico e reflexivo e pauta-se em princípios universais.
b) Situa-se no plano das práticas sociais, sendo um fenômeno complexo e pauta-se em princípios universais.
c) Situa-se no plano das práticas sociais, sendo um fenômeno particular e plural.
d) Situa-se no plano teórico-reflexivo, sendo um fenômeno singular e plural.

04) "Moral (mos, moris, "costume"): conjunto de normas livre e conscientemente adotadas que visam a organizar as relações das pessoas na sociedade, tendo em vista o bem e o mal; conjunto dos costumes e valores de uma sociedade, com caráter normativo (regras do comportamento das pessoas em grupo)". (ARANHA, Maria L. de Arruda. Filosofando: introdução à filosofia. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2003). Sobre a moral, é CORRETO afirmar que: (0,5)

a) O estudo da moral deixa de ser uma questão de cunho filosófico passando a ser objeto de estudo da teologia.
b) A moral não estabelece regras para a vivência em sociedade.
c) A moral se reduz a um conjunto de normas, regras e valores que são adquiridas através da herança e recebidas pela tradição.
d) Através da reflexão crítica, o sujeito tende a colocar a moral e os valores vigentes em questão, questionando-os e criticando-os.

05) Produção de Texto. “Se devemos a Sócrates o início da filosofia moral, devemos a Aristóteles a distinção entre saber teorético ou contemplativo e saber prático. [...] O saber prático é o conhecimento daquilo que só existe como consequência de nossa ação e, portanto, depende de nós. A ética e a política são um saber prático” (CHAUI, 2012, p.271). Com base nessa contextualização acerca da relação entre Sócrates e Aristóteles sobre a filosofia moral faça uma produção de texto seguindo os passos abaixo. Cada tópico poderá ser um parágrafo diferente e o último tópico a conclusão da sua reflexão: Valor da questão: (1,0)

·         Diferenciação entre ethos e Mores.
·         O senso moral e a Consciência moral.
·         Juízo de Fato e juízo de valor.
·         Sócrates o indagador e Aristóteles e a Prática.
·         Agir pela natureza (physis) e por vontade (liberdade).

domingo, 27 de abril de 2014

Autonomia e autoconstrução!


Uma fresta de luz,
Uma retina, uma lembrança, uma sensação,
Mas não era uma luz sensorial, tampouco eram as retinas dos meus olhos.
A miopia era mais profunda e não somente minha,
E a fresta de luz era muito desbotada, quase imperceptível.

Acredito que propositalmente querem que não enxerguemos,
Nos facilitam caminhos para os olhos não usar,
Nos acostumam com a hipocrisia viajar.
Querem promover nossa adaptação,
Querem que gozemos com os prazeres da multidão.

Mas quem nos persegue dessa forma?
Qual o motivo, a razão dessa castração?
Se acostumar com o crime e o ladrão...
Fazer da desonestidade um plano e não exclusão...
E apresentar as ideias contrárias como recalque da nação.

Sou eu, é você e quem quiser incluir,
Somos nós mesmos os autores das luzes e escuridões,
É o jeitinho daqui e dali, uma moeda de troco, um pão.
Depois já nem me incomodo mais com o ladrão,
São as oportunidades! Ah, essas oportunidades!

Hoje elas fazem me sentir mais forte, mas amanhã fico sem tapete.
O mundo poluído de discurso aponta sua ética,
Para quem tem uma bússola quebrada, tanto faz.
E já que não há uma direção, para quê usar os olhos?
Se adapte e engula o vômito calado!

Enquanto uns vomitam suas ideias sobre a sociedade,
Outros se enojam e tomam caminhos contrários,
E levam pancadas por isso, mas fazem suas próprias escolhas.
Foi justamente nessa fresta de luz que vi...
Que eu já não cabia mais em mim.

Que o mundo é uma construção do artista que sou eu.
que minhas opções vão agradar e desagradar,
mas por que se incomodar se nem toda bússola está quebrada?
E mesmo que quebrada posso fazer do desconhecido, caminho.
E do caminho, a vida que quero desenhar.
Related Posts with Thumbnails